Compartilhe
Ir em baixo
Admin
Mensagens : 113
Data de inscrição : 15/08/2018
Ver perfil do usuáriohttp://sisuniversity.forumeiros.com

Capítulo 19 : Oque você vai ser quando crescer

em Qui Ago 16, 2018 8:33 pm
Capítulo 19 : Oque você vai ser quando crescer


O que você vai ser quando crescer? - A questão da escolha profissional
A escolha profissional é fundamental na vida do indivíduo. As influências culturais
e a visão de mundo do adolescente são determinantes nesta escolha.

Logo ao se aproximar da idade adulta, não apenas somos indagados pela família,
como também nos indagamos: Qual profissão devo escolher? Do que realmente
gosto? Qual profissão me trará mais recursos financeiros e possivelmente fama
em menos tempo? Assim, quando a escolha não é acertada, a frustração ou
desânimo ao longo dos estudos pode ser dado como certo.

Mas para pensarmos nessa questão, devemos considerar que a escolha de uma
área profissional para atuação é apenas mais uma dentre tantas outras que
fazemos em outras áreas da vida. E assim como nestas outras, ao se pensar em
uma profissão, somos influenciados por tantos outros fatores não apenas
psicológicos ou comportamentais, mas também sociais ou culturais.

De uma perspectiva mais crítica, é preciso considerar que o contexto histórico e
social acaba por ditar seus modismos, uma vez que uma gama de valores e
visões de mundo acaba por prevalecer. Logo, não de forma gratuita, o
individualismo e a sede por fama e sucesso estão muito presentes numa
realidade na qual o capitalismo é o modo de produção econômica predominante,
uma vez que será nessa sociedade capitalista em que a individualidade e a
liberdade estarão à frente de outros valores como a igualdade ou noções como a
coletividade. Obviamente, o desejo pelo reconhecimento social não é invenção
das sociedades capitalistas e, como se sabe, ele esteve presente ao longo dos
séculos nas mais diversas sociedades. Porém, no âmbito das escolhas
profissionais, o desejo pelo sucesso a todo custo pode iludir e causar frustrações

em um mundo tão competitivo, quando na verdade a realização pessoal e
profissional poderia estar no anonimato de tantas funções e profissões tão
importantes à sociedade.

Mas se o próprio contexto histórico e social no qual vivemos pode oferecer
armadilhas ao jovem no momento de sua escolha (isso por conta do predomínio
de uma visão alienada da realidade, principalmente estimulada pela mídia em
geral), outro agravante é sua própria condição enquanto adolescente. A
adolescência por si só é um estágio ou período da vida do indivíduo caracterizado
pelo conflito, pela crise e pela redefinição da identidade. Assim, “[...] a etapa da
adolescência representa um período de crise constitutiva ou normativa da
identidade, que tomará distintos aspectos, dependendo da sociedade e da cultura
em que o sujeito viva. Destaca-se nesse período, a crise normativa da
adolescência, que se converte em um momento de “virada” e reorganização da
própria personalidade, representando com isso uma possibilidade de sustentação
para o futuro.” (TARDELI, 2012, s/p). Logo, a dificuldade do acerto na escolha
profissional aumenta, pois exatamente em um momento de transformações como
a adolescência, somos obrigados a optar por um caminho e seguir. Assim, não
surpreendentemente, a indecisão e a insegurança se fazem presente, embora
muitos acreditem estarem certos do que querem.
Em uma pesquisa com adolescentes sobre orientação profissional elaborada pela
professora Denise Tardeli entre os anos 2005 e 2007, a maioria dos entrevistados
afirmou que nada (família, sociedade, entre outros aspectos) influenciaria em
suas escolhas. Contudo, é possível dizer que essa afirmação por parte dos
jovens entrevistados na pesquisa pode ser relativa, pois é inegável que a
formação da própria opinião sofre influências externas quando vivemos em
sociedade. A decisão por uma profissão não se dá de forma tão autônoma e
independente de uma realidade na qual se está inserido. Segundo a própria
pesquisadora, “[...] essa decisão não ocorre de maneira estritamente subjetiva
como os jovens podem supor. Eles podem provavelmente fazer escolhas de
maneira autônoma, mas sempre dentro de formas socialmente construídas.
Escolher uma profissão é uma tarefa cada vez mais difícil, conforme a sociedade
se faz mais complexa.” (IBIDEM, s/p).

Em uma sociedade na qual predominam as aparências, o culto ao consumismo e
o anseio pelo sucesso através do menor esforço e com maior rapidez, algumas
profissões como modelos e jogadores de futebol permeiam o imaginário dos mais
jovens. Ao perceberem que essas áreas não são para todos, deparam-se com a
dura realidade do mercado de trabalho, o qual se torna cada vez mais exigente e
cada vez menos remunerativo. O encanto com determinadas áreas que,
historicamente, estão ligadas a certo status e reconhecimento social, como
engenharia, medicina e direito, também atrai milhares de adolescentes, tornando
o vestibular para essas áreas cada vez mais concorrido e o mercado de trabalho
cada vez mais inchado. Como se sabe, atualmente, o diploma e a formação

universitária não garantem sucesso profissional.

O adolescente por si só não deve ser culpado por suas escolhas, mas necessita
de orientação e diálogo para que, dessa forma, descubra não apenas quais suas
melhores aptidões, mas, fundamentalmente, conheça o mundo à sua volta e os
verdadeiros desafios, obstáculos e prazeres de cada profissão. Assim, é
necessário equacionar, no momento da escolha, o que se pode chamar de
vocação com alguns conhecimentos prévios sobre o caminho profissional que se
deseja trilhar. Logo, o que importa não é a escolha em si, mas o bom senso tão
necessário antes dela.
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum